Falta de soro e vacinas contra picadas de cobras no Sertão Central do Ceará pode levar a morte

Os ataques de cobras, cachorros e morcegos têm preocupado médicos e profissionais da saúde do Sertão Central, pois pessoas que são mordidas por um destes animais precisam ser transferidos para Fortaleza, uma vez que falta soro antiofídico e diversas vacinas, que podem salvar vidas, nos diversos hospitais e unidades de saúde da região. As informações são do Monólitos Post


De acordo com 8ª Coordenadoria Regional de Saúde do Estado, nos últimos dias, foram registrados muitos casos de acidentes por animais peçonhentos e o atendimento, principalmente no caso de picada de cobra, deve ser realizado com urgência para evitar que a pessoa venha a óbito. Sem o soro antiofídico na região, os pacientes são transportados até a capital cearense com a a ajuda do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu),onde são atendidos no Centro de Assistência Toxilógica (Ceatox).

O coordenador da 8ª Coordenadoria Regional de Saúde, Weligton Xavier (Ci), alerta que o perigo de ataques de animais peçonhentos pode, nesta época do ano, ocorrer com mais frequência, pois eles estão em período de fertilização. Ele orienta, sobretudo, ao homem do campo para ter cuidado redobrado, visto que não há reposição de soro e vacinas no Sertão Central. “Estamos vivendo um momento muito difícil na Macrorregional de Saúde, não vou falar só Quixadá e os 10 municípios, porque o problema se encontra instalado no estado do Ceará e no Brasil: Nós não temos soro no Ceará, nós não temos soro na nossa regional, na nossa Macrorregional”, comentou.

Quer saber mais sobre o assunto? Assista abaixo reportagem completa da TV, onde o coordenador da 8ª Coordenadoria Regional de Saúde explica quais procedimentos devem ser adotados caso uma pessoa seja picada por uma cobra ou mordida por um cachorro ou por um morcego.

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. USE COM RESPONSABILIDADE.